Homem divorcia-se da mulher por ela tomar banho apenas uma vez por ano

Homem divorcia-se da mulher por ela tomar banho apenas uma vez por ano

Foi no Tribunal Distrital da Cidade de Nova Taipei, no Taiwan, que recentemente se aprovou um pedido de divórcio de um homem que alegou tortura psicológica devido aos hábitos de higiene precários da sua esposa, identificada apenas como Lin. De acordo com o que reporta a Oddity Central, Lin tomava apenas um banho por ano e ocasionalmente, lavava o cabelos e escovava os dentes…

O homem alegou que a higiene de Lin já era questionável desde o momento em que namoravam, quando ela tomava banho apenas semanalmente. No entanto, os seus hábitos de higiene começaram a piorar quando eles se casaram. Os banhos semanais tornaram-se mensais, depois semestrais, até que ela começou a tomá-los apenas uma vez por ano.

Farto de tolerar aquela situação, que ainda por cima só permitia ao casal fazer sexo apenas uma vez por ano, quando Lin estava limpa, o que impediu que eles conseguissem ter filhos, ele viu-se obrigado a tomar medidas. Como se não bastasse, ela ficou sem emprego e a certo ponto as dívidas do casal passarem a ser suportadas pela sua mãe.

“Estávamos pobres, pois nenhum dos dois tinha emprego”, disse o homem, acrescentando que nem sequer conseguia pagar a sua contribuição para Seguro Nacional de Saúde, o que o impedia de ir ao médico. No final de 2015, quando foi embora de casa e encontrou um emprego em Hsinchu, o homem foi surpreendido um mês depois pelo aparecimento de Lin, exigindo que ele voltasse para casa. Foi então que ele finalmente decidiu pedir o divórcio.

Passados dois anos depois do pedido de divórcio, o tribunal apoiou as alegações do requerente, afirmando que o casal estava em desacordo com o trabalho, convivência familiar – incluindo higiene – e que, mesmo após uma separação de dois anos, era evidente que o casamento não estava a funcionar. Embora o juiz tenha concedido o divórcio, Lin ainda pode recorrer da decisão e defender o seu direito de tomar banho apenas uma vez por ano, alegando ser um hábito “natural”…