Mulher sobrevive por milagre depois de o seu cérebro "ter explodido" enquanto ela via televisão

Mulher sobrevive por milagre depois de o seu cérebro “ter explodido” enquanto ela via televisão

 

O cérebro desta mulher “explodiu” enquanto ela estava a ver televisão. Agora, Chloe Gallagher, que tinha 15 anos quando tudo isto aconteceu, é chamada de “paciente milagre” pelos médicos, que pensavam que o aneurisma que ela sofreu em junho de 2010 ia acabar por matá-la.

Ela apercebeu-se de que algo estava errado quando ao retornar da escola, sentou-se para ver televisão e constatou que a sua visão não estava nítida: “Cheguei a escola nesse dia, fiz alguns dos trabalhos de casa e comecei a ver televisão”, começou por explicar…

“De repente, o ecrã da televisão e do telemóvel começaram a ficar pouco nítidos e eu sentia que a minha cabeça ia explodir. Literalmente, que ia explodir”, continuou.

“Não consigo descrever a dor que senti nesse dia. Levantei-me para ir até à cozinha mas assim que me levantei, caí. E apercebi-me de que não conseguia andar. Não sei bem como o fiz, provavelmente foi a memória muscular, mas ainda consegui pegar no telefone de casa para ligar ao meu pai”.

O pai foi ter rapidamente com ela e os serviços de emergência foram chamados. Rapidamente se constatou que ela tinha sofrido um aneurisma cerebral e um TAC feito constatou que o seu cérebro estava “cheio de sangue”, ao ponto de ela ter sido posta em coma durante três dias.

“Quando acordei do coma, estava rodeado de médicos, enfermeiras e família e tudo o que vi foram lágrimas de alegria na cara de toda a gente mas não percebia o porquê”, continuou Chloe.

“Depois de me terem dito o que aconteceu, só consegui chorar e abraçar a minha família. Depois, comecei a fazer perguntar. Porquê? Fiz alguma coisa para o causar? E o que fazemos agora?”, contou.

Apesar de ter recuperado, Chloe não ficou a 100%. Os médicos explicaram mesmo que metade das pessoas que chegaram a estar na posição precária de Chloe acabaram por morrer semanas depois. Ela perdeu a sua visão periférica e desenvolveu epilepsia mas hoje, com 24 anos, continua forte.

Apesar de tudo, foi um final feliz, dadas as circunstâncias.